Governança em empresas familiares: uma conversa necessária

Helder de Azevedo * 

A governança em empresas familiares deve ser vista como o alicerce sobre o qual a organização é construída. Assim como uma casa precisa de uma fundação sólida para se sustentar, a governança é a base que direciona e comanda todas as atividades da empresa. Ela não é apenas um conjunto de regras ou práticas, mas sim uma cultura que permeia todas as decisões e estratégias da empresa.

Em um momento em que o ESG é tão discutido, entendo que é o ‘G’ de governança que deve liderar este processo, pois é ela (a Governança) que direciona e viabiliza as questões ambientais e sociais. Sem uma governança efetiva, as iniciativas de sustentabilidade e responsabilidade social podem falhar por falta de uma estrutura que as suporte. A governança é, portanto, o motor que impulsiona e integra as práticas de ESG nas empresas familiares.

O modelo de governança corporativa praticado em empresas de capital aberto, muitas vezes, não se adequa perfeitamente às empresas de capital fechado, especialmente às familiares. Isso ocorre porque as estruturas e necessidades são distintas. O modelo de Governança para empresas listadas foi introduzido no mundo inteiro a partir de uma publicação da OCDE, com o objetivo de tornar um mercado de capitais mais duradouro e sustentável. Acontece que as empresas de capital fechado, que não estão sujeitas às mesmas obrigações legais e regulatórias das companhias de capital aberto, precisam de uma governança que considere as relações familiares e os desafios específicos que enfrentam.

Um dos principais desafios enfrentados também pelas empresas familiares de capital fechado é a questão do conflito de agência. Isso ocorre quando a diretoria executiva (o agente) não age de acordo com a orientação dos donos do capital. Um exemplo disso pode ser visto quando um executivo, que também é um acionista, recomenda a compra de uma empresa, o que resulta em um aumento de seu próprio salário e bônus.

A transição de gerações é um momento crítico para essas empresas. A chamada “geração sênior”, que detém a propriedade e muitas vezes a gestão da empresa, enfrenta desafios como o apego ao poder e a dificuldade de falar da sucessão e de sua finitude. Além disso, a ilusão de que a família é unida pode levar a conflitos quando os fundadores saem de cena.

As empresas que faturam anualmente a partir dos dez milhões de dólares são normalmente aquelas que estão terminando um ciclo da primeira geração. A falta de governança e de visão estratégica são problemas comuns nessas empresas. A governança deve prever mecanismos para facilitar essa transição, como acordos de cotistas ou de acionistas que contemplem a visão estratégica de longo prazo, alinhando os interesses dos membros da família com os da empresa. Isso envolve a definição da distribuição de dividendos, regras de entrada e saída dos familiares na operação e na sociedade, e a gestão de situações como a morte de um membro da família ou a necessidade de um empréstimo, entre outros.

Diante disso, o Planejamento Estratégico  é sem dúvida uma etapa crucial na governança de empresas familiares. Uma ferramenta necessária na partida do processo estratégico é o PESTLE, um acrônimo que se refere à análise do ambiente político, econômico, social, tributário, trabalhista e de sustentabilidade. Essa análise permite que os donos do capital tenham uma visão clara do ambiente em que a empresa opera e dos desafios que ela enfrenta. Esta ferramenta foi proposta na década de 60 do século passado e já contemplava o S (social) e o E (Ambiental – Environment), elementos fundamentais em um planejamento a longo prazo, como é o Planejamento Estratégico.

Apesar desses desafios, existem muitos casos de empresas familiares que conseguiram estabelecer uma governança muito bem-sucedida, como o da família Moura, da Baterias Moura, em Pernambuco, que conseguiu estabelecer uma estrutura de governança que envolve tanto a empresa quanto a família, com um Conselho de Família operante e um Conselho de Administração eficaz.

O fato é que a governança em empresas familiares é um tema complexo que requer uma abordagem cuidadosa, profunda e personalizada. Mas é também a forma que essas empresas têm de garantir sua sustentabilidade e sucesso a longo prazo. Ou seja, é uma conversa difícil entre gerações, mas extremamente necessária. 


* Helder de Azevedo, MSc é autor e fundador do Instituto Empresa DE Família, cujo propósito é preparar Famílias Empresárias para estruturar e aprimorar a Governança de suas empresas através de uma abordagem humana com base em teoria social, aplicada com sucesso na prática em diversos países, há mais de 10 anos.

Search

CONHEÇA NOSSA ESCOLA ESG

COMECE AGORA SUA GESTÃO ESG

FIQUE ATUALIZADO SOBRE ESG, ASSINE NOSSA NEWSLETTER

ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por questões de segurança, é necessário o uso do serviço reCAPTCHA do Google, que está sujeito à Política de Privacidade e aos Termos de Uso do Google.

Outras Notícias